Pesadelizando

7 julho, 2010

Senhora manda ao blog, via blogdmgdm@hotmail.com, e-mail oficial deste devanário, uma notícia que pode transformar aquelas fantasias eleitoreiras do post ali embaixo num pesadelo. Para o PDT.

Vamos lembrar que tudo que ali foi escrito é coisa de gente doida, que tem imaginação demais, miole mole do calor do sol. Mas eles estão vendo mutreta feia no PROJOVEM, o bom programa do Ministério do Trabalho e Emprego voltado para a capacitação profissional de jovens. Pensam isto, estes doidivanas, porque o programa é volta e meia envolvido em algum escândalo. E o fato de o PDT ter contratado um instituto sem licitação em Salvador e depois o mesmo instituto na longínqua Londrina, PR, numa licitação, segundo muitos doutos, cheia de erros crassos, só fez efervescer a cuca lelé desse povo.

Então piorou. Esta senhora, de emblemático sobrenome: Capadócia, informa que em Búzios o mesmo instituto, IDESH, foi contratado sem licitação. O prefeito é do PDT. Vereadores de lá tentaram obrigar o prefeito a se explicar na câmara, mas o burgo mestre botou o bloco na rua e o requerimento foi jogado na gaveta.

A coisa tá assim: 3 cidades distantes milhares de quilômetros umas da outras estão envoltas em contratação suspeita com o mesmo instituto, acusado de não ter experiência e ter feito lambança na única vez que tocou o PROJOVEM. Tamanha foi a bagunça que o MP recomendou a suspensão de repasses à entidade. É ou não é para gente chegada numa teoria da conspiração esbugalhar os olhos?

Assuntando aqui e ali, descobriu-se no mais que bom paçoca com cebola que a justiça do Paraná viu, em duas instâncias, coisa estranha na licitação de Londrina. Lembrando que na cidade vizinha de Maringá, o mesmo IDESH, no mês da licitação de Londrina, foi desclassificado porque não tem experiência e estrutura exigidos pela legislação do PROJOVEM. Na última decisão, o homem da capa preta, agora o da capital, afirmou que “mostra-se a primeira vista correta a decisão guerreada, pois presentes os indícios de irregularidade” ”não é porque o município pode perder o repasse que se deve autorizar a execução de um contrato supostamente ilegal”. Dá para ler tudo que o Desembargador escreveu aqui: http://pacocacomcebola.blogspot.com/2010/07/tj-havia-mantido-liminar-que-suspendeu.html

Parece que corre à boca miúda de lá do sul que o MP local tem bem anotadinhos nomes e valores a respeito do esquema todo e tá só esperando que algum ser que não jogue água fora da bacia mostre o bigode e aposte a impressão digital num requerimento formal de investigação para começar sua habitual perdigueirice. É de se perguntar se a cidade tem oposição real ou está na mesma pasmaceira que se vê no plano federal. Nada há de confirmado e muito de comentado também.

E assuntando mais um tanto, se descobriu que lá em Búzios houve também vozes discordantes. Aqui: http://blig.ig.com.br/blogdoluizdopt/2010/06/29/projovem-iii/

Não é nada, não é nada, são coincidências perigosas demais. Para azar do PDT, seu nome forte no estado, senador Osmar Dias, deixou de se aliar ao PSDB de última hora, fortalecendo Dilma ao se lançar candidato ao governo ao invés de concorrer ao Senado novamente, no que seria uma imbatível chapa PSDB-PDT. O porém é que os tucanos, bem, são os tucanos, né?

Em Curitiba, o secretário Jorge Bernardi, do PDT, deixou de fiscalizar adequadamente a execução do programa, incluindo aí um atrasinho de seis meses.

Já em Porto Alegre a PF indiciou nove pessoas por fraude no projeto, especialmente por uma manobra pessimamente nominada pela imprensa como “quarteirização”. A investigação começou no fim de 2007, relativa ao contrato daquele ano, quando era secretária da Juventude a Sra. Juliana Brizola, do PDT. Há quem diga que ela aprontou tanto lá pelos lados do Guaíba que foi defenestrada porque o custo político de mantê-la por perto era demais da conta. Segundo consta por aí (por exemplo, aqui: http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2008/02/412751.shtml), ela praticava aquele esquema de caixinha com servidores nomeados, ficando com parte do salário dos comissionados.

Daí que são pelo menos cinco grandes contratos do PROJOVEM envolvidos em irregularidades cometidas em administrações sob o comando do PDT.

Tudo somado, nada muda que maluco é maluco, mas com tanta colaboração do PDT, cambada acaba se municiando facilmente. Mas que são loucos, lá isso são.


Fantasias eleitoreiras

17 junho, 2010

É época de eleições e dinheiro é sempre um problema, quanto mais se tem, mais se precisa porque mais quem te deu dá para teu adversário. Se você está com o governo, fica mais fácil: tem a máquina do seu lado, mas como até hoje você fez bem menos do que prometeu e bem menos do que é preciso ser feito, bom, a máquina não garante nada per si.

Sucede que o PDT tem um angu nas mãos. Gente de imaginação fértil anda achando que os herdeiros de Brizola estão de mutreta com um projeto do governo do Operário Supremo que, pelo menos no papel, é danado de bom, o PROJOVEM, grosso modo um programa de profissionalização de adolescentes. Há várias modalidades, inclusive uma para a molecada que andou se vendo com a justiça. Lá no site do Ministério do Trabalho, que é capitania hereditária do PDT, a gente lê o seguinte: Preparar o jovem para o mercado de trabalho e para ocupações alternativas geradoras de renda são os principais objetivos do ProJovem Trabalhador. Podem participar do programa os jovens desempregados com idades entre 18 e 29 anos, e que sejam membros de famílias com renda per capta de até meio salário mínimo. A grana para tamanha proeza vem de diversas fontes, inclusive do Fundo de Amparo ao Trabalhador. Mais a fundo, a coisa é interministerial, mas, na prática, fica tudo mesmo a cargo do MTE.

Esse povo desvairado anda supondo que o Ministério do Trabalho tem usado o projeto para angariar uns cobres para o correr do ano. Para levar o projeto aos mais escondidos rincões desse brasilzão, o ministério faz convênio com as prefeituras, as quais, por sua vez, normalmente terceirizam tudo para entidades sem fins lucrativos. Tudo normal, dentro das regras do projeto que, aliás, são muitas e muito bem detalhadas. É aí que a gente que curte ver figuras nas nuvens anda cheirando uma maracutaia.

A galera viajandona anda achando estranho que o programa, tão bom, afinal, seja sempre alvo de mais e mais denúncias, a imprensa, é fato, tem bastante para quem quiser ver. Mas tem dois casos que têm dado um sabor especial à teoria maluca desse povo.

Lá em Salvador é que começa o primeiro caso. A prefeitura de lá achou que o troço era bom e necessário demais para ficar esperando muito tempo e tascou contratar sem licitação. Bagatela de 6 milhões de reais. A decisão foi do secretário de educação local, Sr. Carlos Ribeiro Soares, que é do PDT. Ex-tesoureiro do PDT. Ex-tesoureiro do PDT condenado a devolver aos cofres públicos mais de cem mil reais por ter usado mal o dinheiro do Fundo Partidário Nacional. Condenação imposta no processo TC – 027.939/2008-9 (aqui: http://portal2.tcu.gov.br/portal/page/portal/TCU/imprensa/noticias/detalhes_noticias?noticia=2385602).

Esse tesoureiro do PDT tem sido criticado também por nepotismo (aqui: http://destaknews.blogspot.com/2007/01/salvador-ba-prefeitura-mantm.html). A irmã do cabra, Dona Sandra Soares, é secretária particular do prefeito. Já o cunhado, apesar da controvérsia de ser ou não parente, Sr. Everaldo Evaristo, é diretor financeiro da EMTURSA, uma espécie de Embratur local.

E daí? Daí nada, galera ta viajando, só isso. Mas o diabo é que a entidade contratada sem licitação para tocar o PROJOVEM soteropolitano é um tal de IDESH, anote o nome, que quer dizer Instituto de Desenvolvimento Social e Humano. O que tem alimentado a imaginação do povaréu é que o projeto tem sido alvo de denúncias e mais denúncias por lá (aqui: http://www.atarde.com.br/cidades/noticia.jsf?id=1273328).

A lambança inclui aulas de informática sem computadores, atraso no salário dos professores e no repasse da bolsa de R$ 100,00 devida a cada aluno, problemas nos critérios de contratação de pessoal, quarteirização do projeto e mais um tanto de coisas que acabaram levando os Ministérios Públicos estadual e federal a recomendar a suspensão do pagamento da entidade. A decisão dos MP´s tá bem aqui: http://noticias.pgr.mpf.gov.br/noticias/noticias-do-site/copy_of_patrimonio-publico-e-social/mps-recomendam-a-prefeitura-suspensao-do-repasse-as-empresas-responsaveis-pelo-projovem-trabalhador. Aqui também tem: http://www.google.com.br/search?hl=pt-BR&q=projovem+salvador+mp+federal+pdf&btnG=Pesquisar&meta=lr%3Dlang_pt&aq=f&aqi=&aql=&oq=&gs_rfai=

Até aí, seria só mais um rolo desses comuns do pudê. Mas tem gente que não acredita em coincidência e é por isso que a galera que comeu maionese estragada encasquetou com outro caso envolvendo outra prefeitura do PDT e mais uma vez o tal do IDESH. Tanto mais que essa cidade fica longe pra dedéu de Salvador, lá no Paraná, uma tal de Londrina, que é chefiada pelo Barbosa Neto, do PDT, um cara que chegou ao poder num rolo eleitoral que inventou um terceiro turno na cidade.

Lá no sul teve licitação, mas parece que foi tudo meio escondido, não houve as publicações necessárias, não colocaram no Diário da União, o que era obrigatório porque a bufunfa, afinal, é, literalmente, federal. Publicaram um resumo no jornal lcoal e ainda assim, segundo dizem por lá, nem o valor da licitação informaram. Os dotôs dizem que a licitação lá tem mais furos que um queijo suíço. A entidade que ficou em segundo lugar na licitação jogou o marrom no ventilador e foi bater nas portas do judiciário (aqui: http://www3.rpc.com.br/portal/jl/blog/baixoclero/ – aqui: http://portal.rpc.com.br/jl/edicaododia/conteudo.phtml?id=1014956 ). Diz a imprensa de lá do sul que a perdedora encontrou 14 irregularidades no processo administrativo. O juiz da causa encontrou um pouco menos, coisa de 4 ou 5 e deu a liminar suspendendo tudo (aqui: http://pacocadocumento.blogspot.com/2010/06/veja-acao-da-funtel-contra-indicacao-do.html). O prefeito rapidinho correu dizer que é choradeira e que vai recorrer. Contratinho de 3 milhões de reais.

Mas o povo gosta mesmo é de coisas fantásticas e acabaram descobrindo que até outro dia o Secretário de Planejamento daquela cidade nem é de lá, é da Bahia e, corre à boca miúda de lá, que foi imposto de cima pra baixo pela gente grande do PDT nacional. O nome do cara é Fábio Passos de Góes, atualmente chefe de gabinete do prefeito pedetista.

Essa macacada insana, gente maluca, doida e viajandona, acabou descobrindo que o IDESH entrou numa licitação praticamente no mesmo dia que da de Londrina, numa cidade de nome Maringá, ali pertinho. Só que lá ficou de fora porque sua documentação estaria irregular. Maringá não é governada pelo PDT, o que alimentou ainda mais a fantasia dessa cambada de pirados. Dizem esses mentecaptos que quase no mesmo dia que a prefeitura pedetista de Londrina assinou com o IDESH, este era mandado de volta pra casa pela prefeitura não pedetista de Maringá.

Aí, dizem esses doidos que enxergam coisa errada em tudo, essa gente viajandona, o lance é que estaria o PDT em cima dum esquema quente, nacional, para reforçar seu caixa. Funcionaria, segundos esses malucos que comeram maionese quente, mais ou menos assim: o IDESH ganha os contratos, cumpre tudo levado da breca, embolsa um montão, passa tudo pro caixa 8 do PDT e recebe um dízimo em troca. Mas isso é conversa de gente doida, ninguém jamais levará a sério. Jamais. Nem deve, nunca, de jeito nenhum.