No reino da gurulândia, procure os sapos

Esqueça esses gurus metidos a besta que pululam por aí, normalmente por conta de parentescos nas redações ou direções. Por exemplo, o Rubem Alves, esqueça. Gente que faz é que deve ser ouvida.

 

O Professor José Carlos Antonio tem diversos sites e blogs em que tenta tornar mais simples o ensino e o aprendizado de física. Comece pelo Física com Sabor e descubra os outros. Para ter uma idéia da facilidade dele em falar sobre ciência,sugiro a entrevista que deu na comunidade do Orktu Caneca na Rede (uma outra prova de que o Orkut não é só para espalhar mensagens melosas e agendar beberagens – outra é a comunidade Pergunta).

 

Amigo dantanho nas virtualidades, é coisa comum nos vermos em rusgas mais ou menos polidas. O causo é que quem não gosta de discordâncias não se faz acompanhar de gente inteligente.

 

Aqui um exemplo do trabalho do professor:

 

Quais conteúdos são fáceis e quais são difíceis de ensinar?

Essa pergunta surgiu no fórum de Física do Portal do Professor (MEC) e eu vou postar aqui a minha resposta (porque gostei da minha resposta e acho que vale a pena refletir um pouco sobre ela, mesmo que seja para discordar). Então, lá vai…

Perguntinha capciosa essa.

Na verdade eu acho que todos os conteúdos são igualmente “fáceis” ou “difíceis” e o que os torna “mais fáceis” ou “mais difíceis” são as circunstâncias em que são ensinados. Vou tentar resumir o que penso em uma espécie de “receitinha de bolo” onde cada ingrediente que faltar significa um pouquinho a mais de dificuldade para “ensinar” qualquer conteúdo. A receita é minha, por isso quem não gostar que faça seu próprio bolo ou me ajude a melhorar o meu, combinado?

Receita para um conteúdo ser fácil:
1 – existência de pré-requisitos: sejam matemáticos, físicos ou mesmo linguísticos (porque aluno que não compreende a própria língua dificilmente lê textos ou compreende todas as expressões usadas pelo professor). Ahá! Isso significa que antes de se meter a ensinar alguma coisa é preciso fazer uma “diagnose” do aluno para saber o que ele já sabe; as vezes uma boa conversa sobre o assunto já resolve e… Sim, isso mesmo, é preciso fornecer ao aluno a base mínima para que ele compreenda aquilo que você vai ensinar agora;
2 – aula bem preparada: sim, planeje a aula! Aula bem preparada não é aquela em que o professor “sabe o conteúdo”, mas sim aquela em que ele “planeja como ensinar o conteúdo”. Ah, não se esqueça, você pode ser bem melhor do que o livro didático que usa, certo? Então capriche e planeje cada detalhe da aula;
3 – estratégias inovadoras (na verdade não precisam ser “inovadoras”, mas tem que ser “boas estratégias”): use o laboratório, a sala de informática, a biblioteca, a sala de vídeo e até mesmo a cozinha da escola se precisar, mas não tente imaginar que apenas lousa e giz, aliadas ao seu imenso talento de professor, tornarão suas aulas interessantes;
4 – didática apropriada: coisas como “contextualização”, “transversalidade”, “inter e intradisciplinaridade” não são palavrinhas para decorar textos de pedagogos malucos, elas realmente significam que é preciso um bom método, uma sequencialidade, um contexto apropriado, ênfases e redundâncias de vez em quando e objetividade quase sempre. Enfim, não se deve matar as aulas de didática na faculdade e nem queimar os livros dos pedagogos;
5 – interatividade: isso não é coisa só de jogos de computador, interatividade significa um aluno que interage, que “se vê quase obrigado a ficar curioso e perguntar, tão desconcertante é a maneira como você lhe apresenta algo que o torna curioso sobre aquele assunto”; perguntar aos alunos é bom, mas estimulá-los a fazerem suas próprias perguntas (e não apenas sugerir a eles que se estimulem) é melhor ainda;
6 – bom dimensionamento temporal: aulas tem começo, meio e fim, e se o tempo não for muito bem administrado, o próximo capítulo da novela vai lhe obrigar a fazer uma retrospectiva tão grande que o assunto vai ficar chato, ou você vai deixar de fazer essa retrospectiva e os alunos vão se sentir perdidos. Alguns assuntos demandam mais tempo para serem trabalhados e é preciso de um bom roteiro para que seu filme sobreviva aos comerciais;
7 – visual clean: sim, sua aula e sua lousa têm que ser “clean”, limpinhas. Aulas cheias de detalhes desnecessários e lousas inlegiveis contribuem uma barbaridade para que qualquer assunto se torne “difícil”. Inclua nesse “clean” o fato de que os alunos não precisam que você prove para eles que sabe tudo sobre o assunto, apenas que você os ajude a saber um pouco também. Enfim, não seja exibido nem relaxado;
8 – luzes, câmera e ação!: você é o showman (ou showgirl) e sua aula é o espetáculo, o assunto é só o coadjuvante nessa trama. Se você fizer bem feito nem vão perceber que era tão difícil assim!

Hummm… Fui!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: